Pastor Muller e sua  digníssima esposa  Miriam Inthurn

Translate this Page
  • Currently 2.91/5

Rating: 2.9/5 (971 votos)



ONLINE
2



Partilhe esta Página

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você


Resenha do Livro Hermenêutica Contemporânea
Resenha do Livro Hermenêutica Contemporânea

Resenha do Livro Hermenêutica Contemporânea à luz da Igreja Primitiva.

 

 

I A Obra : Hermenêutica Contemporânea à luz da Igreja Primitiva.

 

II Credenciais dos Autores:

David S. Dockery é Ph.D. Pela Universidade do Texas-Arlington. É diretor e professor de estudos cristãos na Union University em Jacksonville,Tennessee, e professor no The Southern Batist Theological Seminary (EUA). É autor de mais de 30 livros na área de teologia e interpretação biblica. É casado com a Senhora Lanese, e têm 3 filhos.

 

 

III Editora : Vida do Grupo Zondervan Harper Collins

 

Editora Filiada a Camara Brasileira do Livro.

 

1° Edição de 1992 e pela Editora Vida em 2005

 

O Livro possui :285 Paginas

o livro é divido em blocos de assunto

 

 

IV Conclusão : Apresentando a Obra

 

A pesquisa qualitativa que o autor propõe para o conhecimento e enfatiza o caráter da Hermenêutica Contemporânea à luz da igreja primitiva. Neste sentido a pesquisa orientada é para a compreensão dos aspetos, que encontraram o verdadeiro entendimento da Bíblia no ensinamento dos apóstolos.

Avalia o pensamentos do “ Pais da Igreja” que no inicio do séculos I ao III surgiram com defesas apologética do Velho Testamento e Novo Testamento.

 

 

 

 

V RESUMO DOS CAPÍTULOS

 

Título I: Século I : O inicio das hermenêuticas cristãs.

Nesse capítulo o autor apresenta, com detalhes, que Jesus e os apóstolos empregaram ao interpretar o Antigo Testamento.

O autor apresenta, que Jesus se tornou-se a fonte direta e fundamental para o entendimento do Antigo Testamento pela Igreja. Dessa forma, por meio do padrão que Jesus estabeleceu e que sua elevada autoridade expressou por meio do Espirito, ele serviu como a fonte continua da abordagem hermenêutica das Escrituras para a igreja primitiva.

 

Título II: Século II : Da hermenêutica funcional à autorizada.

Nesse capítulo o autor apresenta , os pais apostólicos, e heresiólogos.

O autor apresenta que no século II, os pais apostólicos, apologistas e heresiólogos encontraram o verdadeiro entendimento da Bíblia no ensinamento dos apóstolos.

Mas o surgimento do gnosticismo e de outras contestações à ortodoxia prevalente fizeram com que a exegese Funcional dos pais apostólicos recebesse outros desenvolvimentos hermenêuticos.

Como a exegese funcional resultou tanto na possibilidade de confusão e ambiguidade hermenêuticas como nas questões relacionadas à unidade da Escritura e de sua mensagem, é preciso encontrar uma resposta autorizada que lide com tais problemas. O Século II viu o surgimento de um cânon normativo, um bispo autorizado e uma regra de fé aceita.

Começando por Inácio e progredindo com Justino, Irineu e Tertuliano, desenvolveu-se a alegação de que, se alguém quisesse saber a verdadeiro significado da Escritura, deveria interpretar os textos sob orientação autorizada da regra de fé e dos bispos ou presbíteros da igreja. Todas as outras interpretações eram vistas como alienadas da verdade e inaceitáveis na igreja.



Título III: A escola alexandrina hermenêutica alegórica.

Nesse capítulo o autor apresenta, diversos autores cristão dos séculos II e III e o surgimento da escola Alexandria.

O autor mostra que a exegese bíblica em Clemente e Orígenes, ao adaptar a interpretação alegórica de Fílon e o modelo filosófico do platonismo ultrapassou a postura defensiva de Irineu e Tertuliano. O autor afirma que Clemente iniciou o método alegórico, mas Orígenes foi, de fato, o principal exegeta desse período. Orígenes,seguindo a constituição tripla dos seres humanos, criou uma metodologia hermenêutica em três etapas. Ainda sim, ele praticava uma abordagem que contemplava duas etapas: O sentidos literal e o espiritual . O sentido literal serviu a uma finalidade apologética, contra o agnósticos e outros contestadores da ortodoxia prevalente, mas, primordialmente, serviu a um aproposito pastoral para amadurecer a alma.

 

 

 

Titulo IV : A escola Antioquena: Hermenêuticas lítero – histórica e tipológica.

Nesse capítulo o autor apresenta, a característica da Escola Antioquia .

Os antioquinos rejeitavam a interpretação alegórica dos alexandrinos .

O autor apresenta na narração que ao longo do desenvolvimento que vai de Teófilo a Crisóstomo, a exegese literal e histórica dos antioquenos era refinada.Da mesma forma que os alexandrinos, os pais antioquenos levaram para o texto algumas tradições e pressupostos filosóficos.

Observamos que na exegese das cartas paulinas, tanto os antioquenos quanto os alexandrinos geralmente interpretavam o apóstolo literal e contextual mente, buscando entender a idéia que ele pretendia transmitir. As diferenças baseavam-se principalmente no escopo da revelação.

Portanto afirma o autor que a alegoria alexandrina conduzia a alma para um domínio de conhecimento verdadeiro no qual a visão da verdade poderia ser descoberta. A teoria antioquena conduzia os seres humanos para uma vida verdadeiramente moral dessenvolvida em vertude e maturidade e que continuaria pela eternidade,

Devido a controvérsia nestoriana, desenvolveu se uma ênfase maior sobre a interpretação teológica. Com Jerônimo e Agostinho, no ocidente e Teodoro de Ciro , no oriente, desenvolveu-se uma pratica hermenêutica eclética que as vezes enfatizava o literal e as vezes o alegórico, mas sempre o teológico. Mesmo assim, a tradição antioquena nunca desapareceu por completo.

 

 

Titulo V: Para uma hermenêutica canônica e católica.

Neste capitulo o autor observou que as preocupações Teológicas que dominarão a controvérsias cristológicas do séculoV influenciaram fortemente as abordagens hermenêuticas desse período.

O autor comenta que as praticas de três interpretes diferentes dessa época, mas descobrimos uma convergência comum em direção à síntese teológica e hermenêutica. Jerônimo, o grande tradutor, (bíblia do hebraico para o latim ) chamada vulgata , e Agostinho, o teólogo excelente e Teodoro, o pastor-modelo,cada um demonstrou suas preocupações para comunicar o significado canônico da escritura.Queremos dizer com isso que um texto não deveria ser interpretado afastado de seu contexto mas amplo, ou seja,de todo Canon bíblico. O que pode ser visto afirma o autor, é que nem as praticas alegóricas de Alexandria, nem as ênfases históricas de Antioquia dominaram. Uma hermenêutica equilibrada e multifacetada emergiu, influenciando as praticas hermenêuticas da idade Media e também dos períodos posteriores à reforma.

Titulo VI : Interpretação Bíblica ontem e hoje. .

Nesse capítulo Final, o autor apresenta a teoria hermenêutica contemporânea e na diversidade de modelos hermenêuticos.

Vemos que uma síntese de modelos orientados para o “autor”, para o “leitor” e para o “texto” pode convergir para uma síntese canônica, que não difere da abordagem de Agostinho e Teodoro no século V.

Dessa forma, a igreja primitiva serve como uma janela que nos permite entrever as preocupações dos teóricos e praticantes da hermenêutica contemporânea.



X - METODOLOGIA

O autor demonstra em seu livro, a utilização da metodologia e habilidade , o que se percebe uma ferramenta indispensável na compreensão de como a igreja vem interpretando as escrituras. É notória a preocupação em situar os fatos historicamente, o que, a nosso ver, serve de suporte para a apresentação dialética de sua proposta.





XI PRINCIPAIS AUTORES CITADOS NA OBRA

O autor referencia a varias obras. A seguir alguns dos autores citados no livro.

Abraham , William J. Intentions and logic. Of interpretation

Achtemeier, Elizabeth. Typology.

Adler Mortimer J. How to Read a Book.New York

XIII - CRÍTICA DO RESENHISTA

Após discorrer historicamente como esses seis capítulos, ao longo do tempo, o autor apresenta contribuições pessoais significativas, o que demonstra sua segurança e domínio em relação a historia e a hermenêutica contemporânea .

Convicto que as preocupações hermenêuticas modenas podem ser entendidas e resolvidas à luz da historia da interpretação. O livro é claro, didático, direto.

.

XIV - INDICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

Este livro foi escrito para oferecer uma visão geral aos estudantes de teología e ao grande publico de como as preocupações hermenéuticas modernas podem ser mais bem entendidas e resolvidas com ajuda do conhecimento da historia da interpretação.

Janio Muller Inthurn

Aluno do Curso Básico de Teologia.

Data:25/03/2012 

topo