Pastor Muller e sua  digníssima esposa  Miriam Inthurn

Translate this Page
  • Currently 2.91/5

Rating: 2.9/5 (971 votos)



ONLINE
2



Partilhe esta Página

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você


Introdução do Velho Testamento
Introdução do Velho Testamento

Para que possamos entender bem o estudo sobre as Escrituras, nunca é demais relembrar:

(Testamento”,e uma palavra grega que significa Aliança   conteúdo dessa aliança é: ... “  Andarei no meio de vós, e serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo". Lev. 26,12

A Bíblia hebraica (o nosso Antigo Testamento) está dividida em três partes: Torá, a Lei (T); Nebiím, os Profetas (N); e Ketubím, os Escritos (K), como aparece na lista acima. As iniciais desses três grupos formam a palavra TENAK, pela qual é designado o cânon hebraico.

A Bíblia grega teve a ordem de seus livros alterada:

 

1- Livros históricos. Narram a história do povo na ordem cronológica de seus episódios.

2- Livros sapienciais. Contêm sabedoria e poesia.

3- Livros proféticos. Incluem os quatro profetas maiores e os doze menores.

O Antigo Testamento é a Bíblia do povo de Israel, mas também do “novo povo de Deus”,* dos cristãos e das cristãs, porque o mesmo Deus que atuou no Antigo Testamento é chama­do pelo próprio Senhor Jesus Cristo de “Meu Pai” (especialmente no evangelho de João).

Jesus realizou o projeto que Deus iniciou com o seu povo, com Israel. Os primeiros cristãos e cristãs liam o Antigo Testamento para que pudessem compreender a pessoa e a obra de Jesus Cristo. Embora algumas pessoas menosprezem o Antigo Testamento, sua compreensão é impres­cindível para a compreensão do Novo Testamento. Alguns estudiosos do Novo Testamento se confrontam com dificuldades que não precisariam existir caso reconhecessem o vínculo de algu­mas passagens com o Antigo Testamento, principalmente em relação aos fatos proféticos.

Estrutura do Antigo Testamento

Foi um processo que durou mais de mil anos. Os cantos épicos mais antigos, como o Cântico de Miriam (Êx 15.1-18) e o de Débora (Jz 5), datam provavelmente do século XE a.C. Os livros mais tardios, Daniel e Ester, foram compostos durante o século II a.C. Os últimos do cânon cató­lico, lí Macabeus e Sabedoria, são do ano 100 a.C. Durante todo esse período acumulou-se grande quantidade de material nos livros e nas coleções de livros. Outros livros foram escritos ao mesmo tempo. Alguns se perderam, outros se conservaram, mas não foram aceitos no cânon hebraico.

Acredita-se que cada uma das três divisões do Tenak judaico (Torá, Nebiïm e Ketubím) representou uma etapa no desenvolvimento da Escritura, mesmo que al­guns livros tenham sido produzidos na mesma época. Os modernos investigadores opinam que os mais antigos códigos legais conservados no Pentateuco (Decálogo — Êx. 20.1-17, Código da aliança — Êx 20.22-23.19 e Decálogo ritual — Êx 34.11-26) foram escritos nos séculos XII-XI a.C.

Os livros da Lei são: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

A coleção dos profetas anteriores (Josué, Juizes, Samuel e Reis) foi concluída entre 600 c 560 a.C. Outros livros, contendo material histórico, foram escritos, mas não entraram no cânon. Josué 10.13 fala do Livro de Yasar. Nenhum livro anterior ao exílio da Babüôuh que sobreviveu a esse período, ficou de fora do cânon. Os profetas posteriores formão* uma coleção heterogênea e os livros foram compostos entre o ano 750 a.C. (Amos* e cerca de 400—300 a.C. (os últimos profetas menores: Malaquias, Joel, Jonas. Zacarias e, talvez, Apocalipse de Isaías — Is 24-27).

No tempo de Jesus, Ben-Sirá já era um termo corrente na coleção dos Doze Pr0_ fetas (Eclo 49.10), significando que a coleção dos profetas posteriores estava com­pleta. No século II a.C., toda a coleção dos profetas era considerada escritura sagra­da. Josefo enumerava treze livros proféticos, incluindo, provavelmente, algnns que seriam contados entre os Escritos.

Os Escritos formam a divisão mais heterogênea, o que, também, ocasionou mais dispu­tas. É possível que todos tenham sido escritos depois do exílio, estando Daniel e Ester em último lugar (século II a.C.). Ao final do segundo século, segundo o prólogo do Eclesiásti­co, os judeus falavam da Lei, dos Profetas e do resto dos livros dos antepassados. N~Q século I, encontra-se uma indicação de que livros eram esses. De Lucas 24.44 sabe-se que o cânon era formado da Lei de Moisés, dos Profetas e de Salmos.

Filón também se refere à Lei, às palavras proféticas e aos “hinos e outras obras com que se podem incrementar e aperfeiçoar o conhecimento e a piedade . Josefo conhe­cia os cinco livros de Moisés, os treze livros dos Profetas e outros quatro que contêm “hinos a Deus e preceitos para a orientação da vida humana’" (talvez, Salmos. Cantares. Provérbios e Eclesiastes). Mais tarde, no Talmude, aparece o termo “escritos", desig­nando um uso mais antigo. Por terem sido recebido mais tarde, os Escritos não desfru­tavam do mesmo respeito dado à Lei e aos Profetas. As observações de Josefo nos garantem que o cânon era formado de livros considerados sagrados, diferentes por sua origem divina. Nada poderia ser alterado neles.

O Antigo Testamento conta como nasceu o povo israelita: Deus andou com o sea povo, iniciando a caminhada a partir da chamada de Abraão (Gn 12). e depois com cs patriarcas e continuando-a no deserto e na marcha da história. Conta como Deus sofreu quando o seu povo se afastou da comunhão com ele. Conta sobre vitórias, derrotas e conflitos dentro do próprio povo e com outros povos também. Contém cânticos e hinos, lamentações e louvor — e tudo isso foi experimentado diante de Deus, em aliança com Deus. O Antigo Testamento conta como Deus quer o bem-estar e a justiça para o seu povo e também na convivência com outros povos, além da fidelidade de uns e da desobe­diência de outros. Entretanto, Deus sempre quis que o seu povo andasse com ele. Dentro do Antigo Testamento, em nossas Bíblias, temos quatro conjuntos:

         1.O Pentateuco. A Lei, de Genesis ate Deuteronômio. A Lei estava pronta pelo menos no ano 458 a.C. (tempo de Esdras).

          2.Os Livros Históricos. Josué, Juizes, 1 e 2Samuel e 1 e 2Reis foram chamados de “Profetas Anteriores”. Também foram aceitos no tempo de Esdras como livros canônicos. Mais tarde, foram acrescentados 1 e 2Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. 

        3.Os Escrítos/Sapienciais. Contêm Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cântico dos

Cânticos. São livros poéticos e sapienciais.

           4.Os Profetas(de Isaias até Malaquias). Os quatro grandes e os doze pequenos profe­tas (por causa do volume dos livros) concluem o Antigo Testamento.

Neste conjunto de 39 livros, que contém a história de Jsrael, as leis de Deus para seu povo, poesias inspiradoras e as mensagens de numerosos profetas, há onze livros fundamentais que narram a historia do Antigo Testamento e constituem a base crono­lógica e histórica para os outros 28 livros.

Os onze livros fundamentais são:

* Gênesis, Êxodo, Números, Josué, Juizes, 1 e 2Samuel, 1 e 2Reis, Esdras e Neemias.

Todos os livios, entretanto, conservam sua unidade, que é estabelecida mediante a consciência das promessas de Deus a Abraão e seus descendentes. Até mesmo o Novo Testamento, que fala do novo pacto ou nova aliança, baseado na morte de Jesus Cristo, nao pode ser compreendido sem o seu contexto veterotestamentário. Essa coletânea toda abrange um período de 4000 mil anos de história. Os capítulos de Gênesis 1 a 11 abarcam 2000 anos De Gênesis 12 até o final do Antigo Testamento decorreram mais 2000 anos Jesus falou sobre a Lei e os Profetas (Mt 7.12,22,40) referindo-se ao Antigo Testamento inteiro e é sobre ele (AT) que iremos estudar mais detidamente em nosso próximo módulo.

Facudade ICP

Pastor Muller

topo