Pastor Muller e sua  digníssima esposa  Miriam Inthurn

Translate this Page
  • Currently 2.91/5

Rating: 2.9/5 (971 votos)



ONLINE
2



Partilhe esta Página

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você


As grandes possibilidades do sermão expositivo
As grandes possibilidades do sermão expositivo

As grandes possibilidades do sermão expositivo

 

A pregação expositiva é a mais difícil de preparar, pois possui muita variedade de texto para se trabalhar, entretanto, é o método mais eficaz para atingir a alma do homem. Esse método tira do texto muito mais do que o tema central. Ele mostra as divisões e as subdivisões, além de tornar explícito o espírito do texto, o que faz que o telespectador reviva a situação e as emoções que levaram o autor a elaborar o sermão.

Em uma análise simplificada, pode haver alguma semelhança com o sermão textual, porque ambos os métodos se originam no texto bíblico. A primeira semelhança é que o sermão textual extrai a idéia principal do texto, porém, as subdivisões são tratadas e argumentadas conforme a disponibilidade do pregador. No sermão expositivo, as divisões e as subdivisões, no entanto, são extraídas da circunstância narrada no texto.

O sermão expositivo tornou-se o mais usado por possuir vários benefícios, limitados nos outros estilos. Um desses benefícios é garantir a veracidade da Palavra de Deus, impedindo o pregador de seguir um rumo diferente e desnecessário. Uma característica preponderante desse estilo de pregação é tratar o texto bíblico com respeito, expressando exatamente o que o versículo está dizendo. A principal função do pregador e da Palavra de Deus é satisfeita. Ou seja, o sermão expositivo fornece o alimento espiritual à igreja, orientando o ouvinte a ter um profundo relacionamento com Deus e com a sua Palavra.

Nesse método, pregador tem o privilégio de expressar que possui comunhão com Deus. Ao estudar o tema do sermão, o pregador se alimenta espiritualmente e, depois, transmite esse alimento aos outros.

Não obstante, existem alguns malefícios no sermão expositivo, pois, como em toda técnica, ele possui vantagens e desvantagens.        

 Uma de suas desvantagens: ele é mais difícil preparar, já que requer mais tempo e dedicação no preparo. Muitos pastores não sabem elaborar um sermão expositivo, porque não dispõem de tempo para prepará-lo e, por conta disso, elaboram, em muitas ocasiões,  sermões cansativos, maçantes até. Não têm a  percepção de esmiuçar profundamente o texto bíblico.

Por ser um método difícil, porém, rico, exige mais tempo do pregador em sua preparação. O pregador que deseja apresentar um sermão expositivo à igreja precisa dedicar-se à pesquisa e ao estudo do contexto histórico e cultural do texto bíblico escolhido. Precisa, também, de um tempo maior de meditação, para que possa trazer aos ouvintes todas as condições espirituais relatadas no texto. 

            Em termos gerais, o sermão expositivo é um método difícil de conquistar os ouvintes e a igreja, pois aborda fatos passados e, hoje em dia, a mídia tem lançado muitos fatos atuais, modernos, e as pessoas não têm mais interesse em fatos longínquos. Por isso o orador tem sempre de se reciclar, de  maneira tal que possa atrair a atenção do  ouvinte.

Outra desvantagem desse método, e a mais perigosa, é o afastamento do ouvinte da Bíblia, caso o sermão seja mal estudado e preparado. Se o orador apenas apresentar o texto,  sem explorar a fartura de elementos históricos e contextuais, não podemos chamar o sermão de expositivo, pois a característica principal desse tipo de pregação é explorar todos os fundamentos descritos no texto bíblico.

 

A seriedade do estudo na apresentação de um sermão expositivo

            A pregação expositiva é um processo comunicativo, cujo fundamento é transmitir a Palavra de Deus por meio de relatos históricos, literários, além da interpretação gramatical. Cada vez mais, o estilo expositivo tem sido considerado o mais completo método de pregação, porque possui qualidades persuasivas, tem poder de influenciar.

A pregação expositiva é a mais importante de todas, porque mostra, de forma mais  fidedigna possível, o que o texto de fato está dizendo, e isso diminui os erros de  interpretação. Expõe, de maneira extremamente ampla, o sentimento que o Espírito Santo requer em determinado texto. Por estar fundamentada na veracidade bíblica, a pregação expositiva apresenta, de forma plena, as necessidades do ser humano. É a Bíblia que deve preencher completamente o coração do homem, e não a idéia ou a metodologia usada pelo pregador, por mais brilhante que seja. Devemos lembrar que o bom pregador é apenas coadjuvante. Por mais genial que seja o seu argumento, esse argumento, no entanto, jamais substituirá  o  teor substancial  da mensagem da Palavra de Deus.

A apologética está totalmente ligada à pregação expositiva, porque esse  método procura elucidar as verdades à luz da bíblia para debater as heresias e as interpretações erradas em relação às Escrituras.  Respeitando o contexto, o pregador se protege das vãs ideologias.

 

Idéias erradas  sobre o sermão expositivo

Alguns pregadores têm utilizado o método expositivo de maneira errada. A seguir, as formas que não fazem parte do sermão expositivo. 

Exegese: pregadores há que tentam usar a exegese para explicar o texto, mas, na verdade, não é assim que funciona. O tratamento expositivo do texto não busca interpretar os usos lingüísticos, como se fosse um léxico para exprimir cada construção frasal.

Ao agir dessa forma, o pregador conseguirá apenas cansar o ouvinte. Por outro lado, a exegese é imprescindível  para o orador esmiuçar o texto, mas sem explaná-la  ao ouvinte.

Explicação bíblica:  outra forma que confunde muito o ouvinte é uma explicação repetitiva dos aspectos históricos retratados no texto. O pregador precisa usar essas informações como cenário secundário, e não como centro da discussão.

Confundido um esboço temático com um esboço expositivo: em muitos casos, as pessoas confundem um esboço expositivo com um esboço temático. O método expositivo não está fundamentado em um tema absoluto, pois o tema desse tipo de sermão é extraído do próprio texto bíblico, não se adapta, na maioria das vezes, a um tema factual. Na verdade, quando o texto bíblico não fala por si só, esse fato tira um pouco da eficácia de uma  pregação expositiva. Para encerar,  se o pregador deseja explanar um tema, ele deve preparar um bom sermão temático.

 

As peculiaridades do sermão expositivo

    Bem, já vimos os aspectos errados usados em alguns casos no método expositivo. Veremos, agora, as peculiaridades desse estilo de pregação, que difere dos demais estilos já apresentados.  

O texto bíblico é o principal fundamento em qualquer pregação, mas, se tratando do sermão expositivo, o texto extraído da Bíblia merece um uma abordagem mais ampla, pois, geralmente, é usada uma única passagem bíblica. Isso, no entanto, não impede que o pregador lance mão de outros textos ao mesmo tempo. Todavia, ele deve prestar muita atenção, porque, em alguns episódios, pode misturar os textos e, com isso, tirar a profundidade do texto principal.

A fidelidade ao texto principal é uma das características do sermão expositivo, que deve respeitar o texto e nunca violá-lo. Na teologia, este tipo de cuidado é chamado de inteireza à interpretação bíblica (hermenêutica). Ou seja, acatar as normas de interpretar a Palavra de Deus. O sermão expositivo não força o texto a dizer aquilo que ele não diz. E, quando isso acontece, surge uma nova heresia.

Outro fator preponderante na pregação expositiva é a coerência  textual. Os diversos assuntos devem estar ligados entre si. As idéias do  sermão se encaixam, estabelecendo uma  abordagem clara, refletindo o que a Bíblia está dizendo.

A ilustração é um aspecto peculiar no sermão expositivo. Se o pregador, por exemplo, for descrever a vida de Moisés, ele precisa fazer que o ouvinte veja esse servo de Deus ainda menino, dentro de um cesto, no rio Nilo, e como um homem já adulto, consagrado ao seu Deus, conduzindo milhares de pessoas no deserto.

A ordem lógica do assunto deve ser descrita de acordo com o ponto culminante do sermão, o apelo. Para isso, o pregador precisa evitar o uso repetitivo de termos, sempre manipulando bem as palavras-chaves. Toda palavra repetida deve ter um propósito acentuado para fechar um assunto.

O alvo central do sermão expositivo é a aplicação daquilo que foi dito. Caso isso não ocorra, os dados históricos não passam apenas de informação cultural. A aplicação do sermão tem de refletir a realidade do espectador.

 

 Como explorar o texto de forma consistente

            Como já sabemos, a pregação expositiva apresenta alguns obstáculos, por isso o pregador tem de estudar bem o texto bíblico escolhido. A seguir, veremos como transpor estes obstáculos.

            Primeiro passo: analisar bem o texto. Caso o pregador não tenha tempo disponível para preparar um sermão expositivo, que não se atreva a desenvolvê-lo. Uma das exigências desse modelo de pregação é a interpretação correta do texto. O pregador não precisa ser um estudioso de hermenêutica, mas  precisa conhecer alguns elementos fundamentais de interpretação.

            Observar o contexto e os fatores históricos é fundamental. Os fatores históricos estão ligados diretamente ao texto. Conhecer o principal propósito do texto enriquece a mensagem, tornando-a criativa.

            Outra qualidade substancial da pregação expositiva é a qualidade prática, que serve para  evidenciar o dia-dia do espectador. Caso contrário, o texto se torna cansativo, por ser muito teórico. Quanto mais o pregador demonstrar praticidade, mais sucesso terá sua pregação.  

           

A ordem do sermão expositivo

            O sermão expositivo segue a mesma ordem organizacional dos outros sermões. Depois de estudar minuciosamente o texto, o orador deve observar o assunto principal e, a partir dele, preparar a pregação. Após isso, deve elaborar os agrupamentos das idéias geradas do assunto central. Os demais tópicos darão o tom e a ênfase do sermão.

 

Relatando episódios e fatos            

Alvo centra: batalha espiritual (Ef 6.10-20)

1. Ninguém pode lutar se estiver fraco, por isso a ordem é “fortalecei-vos” (v.10)

2. O crente deve conhecer a armadura (v.11)

3. O crente deve tomar de toda a armadura  (v.13)

      

Razões e circunstâncias 

Alvo central:  a vida espiritual do crente  (Mc 13.24-31)

1. Os sinais estão se cumprido (v. 25)

2. O dia da volta está  próximo (v. 29)

3. Passarão os céus e a terra, mas a Palavra de Deus permanecerá (v. 30,31)

           

Extraindo conceitos doutrinários do texto

Alvo central: o cristão e o novo nascimento (Jo 3.1-15)

1. O homem precisa nascer de novo (v. 3-5)

2. O segredo do novo nascimento (v. 6-10)

3. O galardão do novo nascimento  (v. 15)

 

Estes são alguns exemplos de sermões expositivos. Existem outros que utilizam metáforas e figuras de linguagem. Vejamos, a seguir, o esboço de um sermão expositivo.

 

Título: O cristão e a batalha espiritual 

Texto base: Efésios 6.10-20  

 

Introdução

 

1 – Fortalecimento: Efésios 6.10

O crente deve se fortalecer no Senhor.

a) ninguém  pode lutar se estiver fraco

b) Jesus é a nossa fortaleza

 

2 –  O crente deve conhecer a armadura de Deus: Efésios 6.11

O crente deve saber quais são as armaduras de Deus e buscar capacitação.

a) Sem preparação para guerra, não haverá vitória.

b) Essa capacitação é recebida na igreja, orando, estudando a Bíblia e exercitando.

c) O instrutor é o Espírito Santo 

 

3 –  O campo da batalha: Efésios 6.12

O lugar de combate.

a) É espiritual – nos lugares celestiais

b) Não é lugar geográfico.

c) Existe  um inimigo espiritual – o diabo.

 

4 – As armas espirituais  da batalha: Efésios 6. 13-17

As armas espirituais são:

a) O cinto da verdade (v.14)

b) A couraça da justiça (v.14)

c) Calçados na preparação do evangelho (v.15)

d) O escudo da fé (v.16)

e) O capacete da salvação (v.17)

f) A espada do espírito (v.17)

 

5 –  A provisão da batalha

a) A oração na batalha (v.18,19)

b) Orando em todo o tempo (v.18)

c) Vigiando com perseverança (v.18)

d) Na força da Palavra de Deus com confiança (v.19,20)

 

Apelo final

A conclusão deve sempre ser feita enfatizando uma mudança de atitude.

 

Fonte ICP

 

Pastor Muller

topo