Pastor Muller e sua  digníssima esposa  Miriam Inthurn

Translate this Page
  • Currently 2.91/5

Rating: 2.9/5 (971 votos)



ONLINE
2



Partilhe esta Página

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você

 

Radio Admd Que Veio Pra Ficar Com você


Estatuto da Igreja.
Estatuto da Igreja.

ESTATUTO DA IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS - MINISTÉRIO DÁDIVAS DE DEUS.

 

 

CAPÍTULO I

DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DA CONSTITUIÇÃO Art. 1°

 

1°) - A Igreja Assembléia de Deus - Ministério da Dádivas de Deus, fundada na Cidade de Lorena São

Paulo, aos nove dias do mês de Março do ano de dois mil e onze , doravante identificada pela sigla

ADMD ou denominada simplesmente Igreja, tem por finalidade proclamar o Evangelho do nosso Senhor

e Salvador Jesus Cristo, de conformidade com a Palavra expressa em Mateus 28.19, Marcos 16.15 e

demais referências, atendidos os princípios e ensinamentos contidos nas Santas Escrituras.

A ADMD, tem Sede e Foro na Cidade de Lorena, provisoriamente instalada à Rua Jovino Balbino

da Silva , nº50 – Bairro de Vila Nunes Cidade de Lorena - São Paulo.

2°) - A ADMD, poderá fundar Igrejas Filiadas em cada Município dos Estados da Federação do Brasil. e

no Exterior.

3° - As Igrejas Filiadas serão regidas por estas normas e não terão estatuto próprio.

4° - A ADMD, poderá manter outras entidades associativas ou fundações de caráter assistencial, como

também escolas,livrarias e entidades afins, as quais poderão ter estatutos próprios.

5°) - As Igrejas Filiadas poderão adquirir personalidade jurídica própria, mediante aprovação da

Assembléia Geral da ADMD, observadas as condições previstas no Regimento Interno da Igreja.

6°) - O tempo de duração da ADMD é indeterminado e somente poderá ser dissolvida mediante

resolução de 2/3 (dois terços) dos votos de seus membros, reunidos em Assembléia Geral, previamente

convocada para este fim.

7°) - A ADMD, constituída da Igreja Sede, das Igrejas Filiadas e de suas respectivas Congregações,

tem a Bíblia por sua regra de fé e governo; no entanto, sendo autônoma para resolver, por si mesma,

quaisquer questões internas, de ordem material ou espiritual que venham a surgir em sua Sede ou suas

Filiadas.

CAPÍTULO II

DOS MEMBROS Seção I DA ADMISSÃO Art. 2°

 

1°) - A ADMD compõe-se de número ilimitado de membros, sem distinção de sexo, raça,

nacionalidade ou condição social, que se mantenham fiéis aos princípios fundamentais estabelecidos na

Bíblia e nas leis do País.

2°) - Será admitida como membro da ADMD, a pessoa que:

3°) – Converter-se à fé cristã evangélica e for batizada em águas, por imersão, em nome do Pai, do Filho e

do Espírito Santo;

4°) - Proceder de outra igreja reconhecidamente evangélica que adote a mesma forma de batismo.

Parágrafo único – Nos casos previstos neste Artigo, a admissão do candidato está condicionada à sua

declaração de concordância com este Estatuto e à aprovação da Assembléia local.

 

CAPITULO III

 

DOS DIREITOS Art. 3°

 

1°) - São direitos do membro da ADMD, em comunhão com a Igreja:

2°) - Votar e ser votado para os cargos ou funções previstos neste Estatuto;

3°) - Fazer uso da palavra em reuniões de Assembléia Geral;

4°) - Receber assistência, de acordo com as finalidades e possibilidades da Igreja;

5°) - Ser separado para o serviço do Evangelho de Jesus Cristo, preenchidas as condições Regimentais;

6°) - Participar das atividades realizadas pela ADMD, ressalvadas aquelas de fórum interno do Conselho,

Diretoria ou Ministério;

7°) - Ser readmitido, uma vez sanada a causa do desligamento, mediante aceitação da Assembléia local.

 

 

 

CAPITULO IV

DOS DEVERES Art.4°

 

1°) - São deveres do membro da ADMD, em comunhão com a Igreja :

2°) - Viver de conformidade com a doutrina bíblica, as normas estatuídas pela Igreja e as leis do País;

3°)– Ser assíduo às reuniões da Igreja;

4°) - Contribuir com dízimos e ofertas não é obrigatoriedade e cada um contribua de acordo com a fé objetivando a proclamação do Evangelho, o socorro a membros necessitados, o sustento de Missionários e demais investimentos ou despesas da Igreja;

5°) - Respeitar as decisões emanadas da ADMD, em particular, as de Assembléia Geral.

 

CAPÍTULO V

DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art.5°

 

1°) - A ADMD, tem, no âmbito geral, a seguinte estrutura organizacional:

2°) - Assembléia Geral;

3°) - Conselho;

4°) - Diretoria;

5°) - Ministério.

6°) - A ADMD, constituirá os departamentos básicos de Evangelização, de Educação Cristã e de Ação

Social, objetivando a execução das atividades que lhe são inerentes.

7°) - Poderão ser criados outros departamentos, visando à execução das atividades da Igreja, mediante

aprovação do Conselho.

 

CAPÍTULO VI

DA ASSEMBLÉIA GERAL Art.6°

 

1°) - A Assembléia Geral é o órgão máximo de deliberação da ADMD, tendo competência para resolver

os casos a ela submetidos, quer sejam de ordem material ou espiritual, no âmbito de sua jurisdição.

2°) - A Assembléia Geral é constituída pelos membros em comunhão com a Igreja, sendo suas resoluções

devidamente registradas em atas e consideradas coisas julgadas, desde que não contrariem a Palavra de

Deus, este Estatuto e as leis do País.

3°) - A Assembléia Geral será presidida pelo Pastor Presidente da ADMD, ressalvadas suas faltas ou

impedimentos,quando essa presidência será exercida pelo Vice-presidente.

4°) - A Assembléia Geral será convocada, ordinariamente, uma vez por ano, sempre no mês de janeiro; e,

extraordinariamente, quando convocada por seu presidente ou por 1/3 (um terço) dos membros em

comunhão com a Igreja, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias; instalando-se com um quorum

mínimo de 2/3 (dois terços) dos membros, em primeira convocação, ou com qualquer número de presentes,

em segunda convocação, 1 (uma) hora após a primeira; deliberando, sempre, por maioria simples de votos.

5°) - Para as finalidades previstas no Parágrafo único do Art. 4º e no Inciso VI do Art. 5º, a publicação de um

calendário de reuniões administrativas mensais dos membros da Igreja substituirá a convocação prévia da

Assembléia Geral, prevista no Parágrafo anterior.

 

 

 

 

CAPÍTULO VII

DO CONSELHO Art.7°

 

1º) - O Conselho é o órgão representativo da ADMD, tendo caráter deliberativo em assuntos

administrativos.

2°) - O Conselho é composto por 2 (dois) membros da Igreja

oriundos do Ministério e da membresia.;

3°) - A eleição do Conselho dar-se-á, no máximo, 30 (trinta) dias após a eleição do Pastor Presidente da

Igreja, em Assembléia Geral convocada para esse fim, através de edital publicado na Igreja.

4°) - O Conselho reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por ano e, extraordinariamente, quando convocado

por seu presidente ou por 1/3 (um terço) de seus membros.

 

CAPÍTULO VII

Competência do Conselho Art.8º

 

1°) - Apreciar e aprovar o Relatório de Gestão e a Prestação de Contas anuais da Diretoria;

2°) - Analisar e emitir parecer conclusivo sobre assuntos a serem submetidos a Assembléias;

3°) - Analisar e deliberar sobre assuntos de natureza administrativa que lhe sejam apresentados;

4°) - Analisar nomes indicados pelo Pastor Presidente para composição da Diretoria;

5°) - Indicar nomes para o cargo de Pastor Presidente da ADMD, preenchidas as exigências do Regimento

Interno.

7°) – O exercício de outras atribuições, mediante requisição da Assembléia, bem como solicitação da

Diretoria ou Ministério.

Parágrafo único – Para fins de acompanhamento da gestão da ADMD, o Conselho manterá um órgão de

Controle Interno, preferencialmente composto de pessoas tecnicamente qualificadas, com o objetivo de

examinar minuciosa,

regular e imparcialmente todos os documentos, contas e valores, que derem origem a balancetes e ao

Balanço Geral da Igreja; além de proceder, quando solicitado pela Diretoria, auditoria financeira nas Igrejas

Filiadas, nas Congregações ou em quaisquer Departamentos da ADMD.

 

CAPÍTULO IX

DA DIRETORIA Art.9°

 

1°) - A Diretoria é o órgão executivo da ADMD, sendo composta dos seguintes membros: Pastor

Presidente, Vice-presidente, 1° Secretário, 2° Secretário, 1° Tesoureiro e 2° Tesoureiro.

 

CAPÍTULO X

DO PASTOR PRESIDENTE Art.10°

 

1°) - O Pastor Fundador não está sujeito a eleição, e somente será substituído nos casos previstos por este estatuto no Artigo 10, seção 2 .

2°) - Ocorrerão a substituição do mandato do Pastor Presidente, dando origem à vacância da função, ocorrerá nos casos de:

I – Faltas comprovadas contra os princípios doutrinários e morais, constantes das Escrituras Sagradas e das leis do País;

II - Tornar-se incompatível com as normas estabelecidas no presente Estatuto;

III – Renúncia ou mudança para outra Igreja;

IV - Jubilação, decorrente de incapacidade física plenamente comprovada, através de perícia médica, que venha a impossibilitá-lo do exercício de suas funções;

3º - Em caso de vacância de função, seu preenchimento obedecerá ao previsto no capitulo deste Artigo.

  

 

 

CAPÍTULO XI

DOS DEMAIS MEMBROS DA DIRETORIA Art.11°

 

I) - As funções de Vice-presidente, Secretários e Tesoureiros serão de livre indicação do Pastor

Presidente da ADMD, ouvido o Conselho, e aprovado em Assembléia Geral.

II) - O mandato dos membros da Diretoria será de dois anos, podendo haver recondução por igual período,

tantas vezes quantas necessárias, enquanto servirem bem à Igreja, em suas respectivas funções.

III) - Perderá o mandato o membro da Diretoria que tornar-se inoperante no exercício de suas funções ou

incompatível com as normas administrativas, morais e legais, notadamente as constantes das Sagradas Escrituras.

 

CAPÍTULO XII

DO MINISTÉRIO Art.12°

 

1°) - O Ministério é o órgão de coordenação das atividades espirituais da Igreja, no âmbito de sua

jurisdição.

2°) - O Ministério é composto de Pastores, Missionários (a) Evangelistas e Presbítero e Diáconos e Diaconisas .

3°) - Os diáconos e Diaconisas, pertençam ao Ministério, são importantes cooperadores na realização das

atividades da Igreja, particularmente, na função logística

 

CAPÍTULO XIII

DAS IGREJAS FILIADAS Art.13°

 

1°) - As Igrejas Filiadas são integrantes da ADMD, nos termos do 3° do Artigo 1° deste Estatuto.

2°) - As Igrejas Filiadas serão dirigidas por um Pastor, indicado pelo Conselho da ADMD e aprovado

pela Assembléia local, o qual responderá pela administração da Igreja Filiada e de suas Congregações.

3°) - O Pastor da Igreja Filiada indicará, para auxiliá-lo em suas funções, um Co-pastor, 1° e 2° Secretários, e 1° e 2° Tesoureiros, cujos nomes serão referendados pela Assembléia local.

4°) - Os mandatos dos ocupantes das funções referidas no Parágrafo anterior seguirá ao disposto no 1° do

Art. 13 deste Estatuto.

 

CAPÍTULO XIV

DAS CONGREGAÇÕES Art.14°

 

1°) - As Congregações da ADMD, vinculadas à Igreja Sede ou às Igrejas Locais, têm por finalidade

exercer a ação ministerial e administrativa de suas respectivas igrejas.

2°) - As Congregações serão administradas por Dirigentes, designados pelo Pastor da Igreja a que se

vincularem, ouvida a Assembléia local, e não terão permanência definitiva frente às mesmas.

3°) - A estrutura administrativa das Congregações poderá adaptar-se à da Igreja a que estiver vinculada.

 

CAPÍTULO XV

DOS DEPARTAMENTOS Art.15°

 

1°) - Os Departamentos são órgãos de execução das atividades da ADMD, nos termos do 1° do Art.

deste Estatuto. Parágrafo único - Os Departamentos serão dirigidos por Diretores e terão normas de

funcionamento definidas no Regimento Interno. 

 

 

 

CAPÍTULO XVI

DO VÍNCULO CONVENCIONAL Art.16°

 

1°) - A ADMD poderá vincular-se a Convenções de Igrejas Assembléia de Deus no Estado ou no País,

respeitados os princípios das Sagradas Escrituras e do presente Estatuto.

 

CAPÍTULO XVII

DAS ATRIBUIÇÕES DO PASTOR PRESIDENTE Art.17°

 

1°) - São atribuições do Pastor Presidente:

2°) - Presidir a Assembléia Geral e o Conselho;

3°) - Presidir as reuniões da Diretoria e do Ministério;

4°) - Coordenar e supervisionar as atividades da ADMD;

5°) - Escolher os seus auxiliares, de conformidade com este Estatuto;

6°)- Representar a ADMD, ativa, passiva, judicial e extrajudicialmente, assistindo-lhe o direito de fazer-se

representar por

Ministros ou membros devidamente qualificados, quando o caso assim o exigir ou julgar necessário;

7°) - Ordenar despesas e exercer o controle sobre a execução financeira da ADMD;

8°) - Assinar, juntamente com o 1° Tesoureiro, todos os documentos relativos a operações financeiras da

ADMD;

9°) - Assinar, juntamente com os Coordenadores de Departamentos, documentos relacionados com suas

respectivas áreas de competência;

10°) - Orientar a participação de membros da ADMD, especialmente aqueles em funções ministeriais, quanto a suas participações em atividades sociais, políticas ou assemelhadas, no âmbito externo da Igreja;

11°) - Praticar os demais atos administrativos de sua competência, podendo delegá-los, quando julgar

conveniente ou necessário.

12°) - Dirigir as atividades espirituais e administrativas da ADMD;

13°) - Cumprir e zelar pelo fiel cumprimento deste Estatuto;

14°) - Responder, inclusive judicialmente, por todos os bens da ADMD, irregularidades administrativas ou

omissões danosas havidas em sua gestão;

15°)- Apresentar ao Conselho o Relatório de Gestão e a Prestação de Contas anuais da Diretoria, nos

termos do inciso I do Art. 10 deste Estatuto;

16°) - Apresentar ao Conselho nomes para composição da Diretoria, conforme esse estatuto.

 

CAPÍTULO XVIII

DO VICE-PRESIDENTE Art.18°

 

1°) - São atribuições do Vice-presidente:

2°) - Substituir o Presidente em suas ausências e impedimentos;

3°) - Participar, quando solicitado pelo Presidente, da coordenação e supervisão de todas as atividades da

Igreja.

4°) - Prestar colaboração em todos os trabalhos, sob a orientação do Presidente;

5°) - Manter as ordens e decisões emanadas do Pastor Presidente, quando no exercício eventual da

Presidência;

6°) - Exercer as atividades que lhe forem delegadas pelo Pastor Presidente.

7°) - Exercer o cargo pelo período conforme o Art.11° paragrafo I ao III

 

CAPÍTULO XIV

DOS SECRETÁRIOS Art.19°

1°) - São atribuições do 1° Secretário:

2°) - Assinar, juntamente com o Pastor Presidente, todos os documentos referentes às atribuições da função;

3°) - Substituir o Vice-presidente nas suas ausências e impedimentos;

4°) - Redigir as atas das reuniões para as quais for convocado, bem como a correspondência de interesse da ADMD;

5°) - Manter devidamente organizado todo o serviço de secretaria;

6°) - Dar orientação necessária ao seu substituto sobre os serviços de sua responsabilidade.

7°) - São atribuições do 2° Secretário:

8°) - Substituir o 1° Secretário em suas ausências e impedimentos.

9°) - Suceder o 1º Secretário, em caso de vacância, desde que haja decorrido, no mínimo, metade do

mandato.

10) - Auxiliar o 1° Secretário no desempenho de suas atividades;

11) - Exercer outras atividades que lhe forem delegadas pelo 1° Secretário.

CAPÍTULO XX

DOS TESOUREIROS Art.20°

 

1°) - São atribuições do 1° Tesoureiro:

2°) - Assinar, juntamente com o Pastor Presidente, todos os documentos relativos a operações financeiras da ADMD;

3°) - Propor à Diretoria medidas administrativas que concorram para um melhor desempenho financeiro da

Igreja;

4°) - Movimentar os recursos financeiros da ADMD, sempre em conjunto com o Pastor Presidente;

5°) - Receber qualquer ajuda voluntária que venha dos irmãos que obedece a palavra de Deus.

6°)- Não seão aceitos donativos ou ajuda de pessoas envolvidas em  politica, e a Igreja não precisa de representante politico e serão proibidos,   aos cadidatos ou politicos no uso do recinto do pulpito e do altar da Igreja de  Deus .

7°) - Efetuar pagamentos e proceder a quitação de compromissos financeiros, de acordo com a dotação orçamentária da ADMD;r

8°) - Manter devidamente organizado todo o serviço de tesouraria

9°) - Manter devidamente organizado todos  os  relatorios e comprovantes de gastos.

10°) - Manter à disposição do Conselho toda a documentação contábil da Igreja.

11°) - Informar aos membros ou do Conselho, quando solicitado, a respeito de qualquer assunto relacionado à tesouraria;

12°) - Dar orientação necessária ao seu substituto sobre os serviços de sua responsabilidade.

 

CAPÍTULO XXI

São atribuições do 2° Tesoureiro Art.21°

 

1°) - Substituir o 1° Tesoureiro em suas ausências e impedimentos.

2°) - Suceder o 1º Tesoureiro, em caso de vacância, desde que haja decorrido, no mínimo, metade do

mandato.

3°) - Auxiliar o 1° Tesoureiro no desempenho de suas atividades;

4°) - Exercer outras atividades que lhe forem delegadas pelo 1° Tesoureiro.

 

CAPÍTULO XXII

DOS PASTORES DAS IGREJAS FILIADAS Art.22°

 

1°) - São atribuições do Pastor da Igreja Filiada:

2°) - Presidir a Assembléia Local, por delegação do Pastor Presidente da ADMD;

3°) - Presidir as reuniões do Ministério local;

4°) - Coordenar e supervisionar todas as atividades da Igreja Filiada;

5°) - Escolher seus auxiliares, de acordo com este Estatuto;

6°) - Administrar o patrimônio da Igreja;

7°) - Representar a Igreja Filiada, ativa, passiva, judicial e extrajudicialmente, por delegação do Pastor

Presidente;

8°) - Assinar, com o 1º Tesoureiro, todos os documentos relativos a operações financeiras da Igreja;

9°) - Proceder a abertura e movimentação de conta bancária em nome da Igreja Filiada;

10°) - Ordenar despesas e autorizar pagamentos;

11°) - Praticar todos os atos administrativos de sua competência, podendo delegá-los, quando achar

conveniente;

12°) - Dirigir as atividades espirituais e administrativas da Igreja Filiada, em geral;

13°) - Cumprir e fazer cumprir as normas do presente Estatuto;

14°) - Servir de exemplo e tratar com amor os membros da Igreja, procedendo irrepreensivelmente, segundo os preceitos bíblicos e morais;

15°) - Responsabilizar-se, perante a Igreja, por todos os bens da Igreja administrados por ele; respondendo,

inclusive judicialmente, por quaisquer irregularidades praticadas em sua gestão.

 

 

 

CAPÍTULO XXIII

DOS DIRIGENTES DAS CONGREGAÇÕES Art.23

 

1°) - São atribuições do Dirigente de Congregação:

2°) - Dirigir as atividades espirituais e administrativas da Congregação, por delegação do Pastor da Igreja a

que estiver vinculado;

3°) - Representar o Ministério da ADMD, no âmbito da Congregação que dirige;

4°) - Sugerir ao Pastor da Igreja nomes de auxiliares e diáconos necessários ao bom desempenho das

atividades, na Congregação que dirige.

5°) - Dirigir a Congregação, observando as orientações e determinações da Igreja a que estiver vinculada;

6°) - Viver irrepreensivelmente, servindo de exemplo aos seus congregados, de conformidade com as

Sagradas Escrituras e os preceitos morais.

7°) - Não contrair dívidas em nome da Igreja ou da Congregação, sem autorização expressa do Pastor da

Igreja a que estiver vinculado;

8°) - Assinar os relatórios financeiros semanais da Congregação, determinando o recolhimento dos valores à Igreja a que estiver vinculado;

9°) - Prestar relatórios periódicos acerca das atividades administrativas e espirituais da Congregação,

respondendo,igualmente, perante a Igreja a que estiver vinculado, por todos os atos nela praticados.

 

CAPÍTULO XXIV

DOS DIÁCONOS Art.24°

 

- A ADMD, através do Pastor Presidente e dos Pastores das Igrejas Filiadas, indicará para

ordenação ao Ministério do Evangelho, o membro em comunhão com o Espírito Santo, que preencha

os seguinte requisitos, a serem explicitados no Regimento Interno:

I -  Ter conhecimento das Sagradas Escrituras;

II - Ser obediente ao sistema de doutrina da ADMD;

III - Ter testemunho pautado nos princípios das Sagradas Escrituras;

 

 

CAPÍTULO XXV

DOS MINISTROS Art.25°

 

A ordenação a Presbítero dar-se-á mediante indicação do Pastor da Igreja Sede ou da Igreja

Filiada, ouvido o Ministério, com aprovação da Assembléia local.

Parágrafo único - Será ordenado a Presbítero, Evangelista e Pastor  o membro em comunhão com o Espírito Santo,que preencha

os seguinte requisitos, a serem explicitados no Regimento Interno:

I - Ter vocação divina para o Santo Ministério;

II - Ter conhecimento das Sagradas Escrituras;

III - Ser obediente ao sistema de doutrina da ADMD;

IV - Ter testemunho pautado nos princípios das Sagradas Escrituras;

V - Possuir o curso de Teologia Básica, com exessão aos experientes no ensino comprovado.

VI- Ser casado conforme a lei do país .

VII- Ordenar bem a sua casa.

  

 

 

CAPÍTULO XXVI

DOS DIÁCONOS Art.26°

 

A ordenação de Diácono ou Diaconisa , dar-se-á mediante indicação do Pastor da Igreja Sede ou da Igreja

Filiada, ouvido o Ministério, com aprovação da Assembléia Local.

Parágrafo único – Será ordenado a Diácono o membro em comunhão com o Espírito Santo, que preencha

os seguinte requisitos, a serem explicitados no Regimento Interno:

I - Ter vocação divina para o Santo Ministério;

II - Ter conhecimento das Sagradas Escrituras;

III - Ser obediente ao sistema de doutrina da ADMD;

IV - Ter testemunho pautado nos princípios das Sagradas Escrituras;

V - Ser aluno da escola Bíblica dominical ADMD;

CAPÍTULO XXVII

DA DISCIPLINA DOS MEMBROS Art.27°

 

- O membro da ADMD que contrariar a doutrina bíblica ou descumprir as normas estatuárias e

Regimentais, de acordo com a gravidade da falta, estará sujeito às seguintes penalidades:

I - Advertência;

II - Suspensão;

III – Desligamento do rol de membros por tempo determinado por 1 ano ou por provar o arrependimento e constatação de frutos dignos conforme o 'livro de II Corintios (7:10) e I João (5:16).

Parágrafo único - Os procedimentos de aplicação de penalidades e de readmissão de membro suspenso ou

desligado, serão definidos no Regimento Interno da ADMD, atendidos os princípios do contraditório e da

ampla defesa.

 

 

CAPÍTULO XXVIII

DE MINISTROS, PRESBÍTEROS E DIÁCONOS Art.28°

 

- O ministro, o presbítero ou o diácono que contrariar o sistema de doutrina ou o presente Estatuto,

estará sujeito às seguintes penas disciplinares:

I - Advertência oral ou escrita;

II - Suspensão da função;

III - Perda da consagração por pecado do adultério será por tempo indeterminado.

2°) - Os obreiros citados no caput deste Artigo, além das penas disciplinares constantes dos Incisos

anteriores, estarão sujeitos às penalidades previstas no Inciso III do Art. 22 deste Estatuto, na condição de

membro da Igreja.

3° - Denúncia de faltas disciplinares de ministros, presbítero e diáconos deverão ser formuladas, por escrito,

ao Pastor Presidente da Igreja, que determinará averiguações e, havendo comprovação de fatos geradores

de disciplina, a encaminhará ao Conselho, para a aplicação das medidas cabíveis à espécie.

4°) - São faltas disciplinares, para os fins do artigo anterior:

I - A prática de pecados previstos nas Sagradas Escrituras;

II - O abandono da fé cristã ou a adoção de seitas ou sociedades cujos princípios contrariem as doutrinas

professadas pela ADMD;

III - A prática de atos lesivos à moral ou aos costumes, conforme previsto no Ordenamento Jurídico do País

e no Regimento Interno da ADMD.

4°) - Quanto aos procedimentos disciplinares e de reintegração dos ministros, presbíteros e diáconos,

aplica-se a disposição contida no Parágrafo único do Art. 28 paragrafo III. 

 

 

CAPÍTULO XXIX

DO PATRIMÔNIO Art.29°

 

1°) - A ADMD terá como patrimônio físico todos os bens móveis e imóveis adquiridos por compra,

permuta ou doação.

2º) - Todos os bens patrimoniais adquiridos na forma deste Artigo serão incorporados ao patrimônio da

ADMD e sua alienação só poderá efetivar-se mediante aprovação da Assembléia Geral, no caso de bens

imóveis, ou do Conselho, no caso de bens móveis.

3º) - A ADMD manterá registros atualizados de todos os bens de que trata o presente Artigo, sendo que

nenhum membro poderá lançar mão dos mesmos para si ou para outrem.

4°) – A ADMD não responderá por dívidas contraídas por quaisquer de seus membros.

5°) – Nenhum membro responderá pelas obrigações contraídas pela ADMD, salvo se, representando-a,

as fizer violando a lei ou o presente Estatuto, agindo de má-fé ou por excesso de poder, quando, então,

responderá solidaria e subsidiariamente.

6°) - Em caso de divisão da ADMD, os seus bens pertencerão à parte que permanecer fiel aos princípios

doutrinários e estatuárias da Igreja.

7°) - Em caso de dissolução da ADMD, os seus bens serão destinados a coirmãs que se mantenham

na mesma fé e ordem ou para outras entidades religiosas cristãs com idêntica finalidade ou que lhe seja

assemelhada, caso inexista remanescentes.

 

CAPÍTULO XXX

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art.30

 

1°) - A eleição da primeira Diretoria da ADMD, dar-se-á na Assembléia de Fundação da Igreja, por

maioria simples de votos dos membros fundadores presentes.

2°) - Com a finalidade de concretizar os objetivos inerentes aos Departamentos de Evangelização, de

Educação Cristã, de Ação Social e outros porventura necessários ao bom andamento da Obra, até que a

ADMD possa dispor de membros devidamente licenciados para ordenação ao Santo Ministério, o Pastor

Presidente poderá autorizar ministros para exercerem as referidas funções, observadas as exigências

contidas nos incisos I a V do Art. 24 deste Estatuto.

Parágrafo único – O ministro autorizado nos termos do caput deste Artigo, terá reconhecimento ministerial

equivalente ao do evangelista referido no parágrafo único do Art. 24 deste Estatuto.

3°) - Este Estatuto poderá ser reformado, sob recomendação do Conselho, por 2/3 (dois terços) dos

membros da ADMD presentes em Assembléia Geral previamente convocada para este fim.

4°) - Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho ou pela Diretoria, conforme o assunto requerer.

5°) - O presente Estatuto, após sua aprovação na Assembléia de Fundação, será devidamente inscrito

no Registro Civil das Pessoas Jurídicas (nesta Cidade de Lorena, o 2º Ofício de Notas, Cartório de Registro de Títulos e Documentos e Pessoas Jurídicas).

6°) - Este Estatuto entrará em vigor na data do seu registro

 

Lorena,01 de Setembro de 2011



_____________________________________

Presidente Janio Muller Inthurn

topo